Facebook da Linking Sites Instagram da Linking Sites Youtube da Linking Sites LinkedIn da Linking Sites Twitter da Linking Sites Whatsapp da Linking Sites
Fone: (11) 94340-4373
CONTATO
BLOG
PLANOS
CLIENTES
EMPRESA
HOME
HOME
EMPRESA
SERVICOS
CLIENTES
PLANOS
BLOG
CONTATO

Como escrever uma boa newsletter

 >    >  
Publicado em 24/09/2019

Os avanços do marketing nas últimas duas décadas são inquestionáveis, sobretudo com relação à esfera digital. Porém, algumas técnicas vieram de épocas anteriores, evoluíram e continuam fazendo tanto sentido quanto antes. É o caso, sem dúvida, da Newsletter.

Vivemos na época dos motores de busca, dos apps, da internet 5G que já está se espalhando pelo mundo todo, porém, algumas técnicas de marketing jamais irão deixar de existir, embora possam se atualizar.

No caso da newsletter, por exemplo, isso se deve ao fato de que, embora simples, ela tem um valor universal e um efeito incrível: dar informações gratuitas ao público e tornar-se uma autoridade no assunto!

Não é difícil perceber que esta fórmula sempre funcionará, pois as pessoas sempre estarão a procura de informações a respeito dos produtos e serviços que mais as atraem.

Portanto, quem for capaz de gerar conteúdos de qualidade gratuitos, seja impresso ou por e-mail, sempre sairá na frente. Se você quer entender o que exatamente é uma newsletter e como escrevê-la bem, acompanhe este artigo.

Como escrever uma boa newsletter: campanha de e-mail marketing sendo divulgada.

Adiante, você aprenderá a:

  • Criar assuntos chamativos;
  • Desenhar o melhor layout possível;
  • Manter o foco e a clareza;
  • Como despertar a imaginação;
  • Gerar engajamento espontâneo;
  • Trabalhar bem a call to action e links;
  • Lidar com as fontes, imagens, etc.

Evitando alguns erros comuns

Como dito, a newsletter pode ser digital ou impressa. Nisto consiste alguns dos erros nos atuais blogs de dicas de marketing, que é dizer que uma newsletter se limita apenas ao marketing digital!

Em uma tradução livre, newsletter significa “boletim informativo”. Surgida no campo do jornalismo e das academias universitárias, só depois ela se disseminou para outras áreas, como a do marketing e publicidade.

Neste último caso, ela não apenas já foi impressa (revista, folder, etc.) e despachada para a casa das pessoas via Correios, como ainda pode ser praticada nesse formato.

Uma assistência técnica de ar condicionado voltada para empresas, que publica/compartilha as novidades tecnológicas do setor para escritórios que se inscreveram na campanha, pratica essa modalidade tradicional.

O segundo erro comum é uma extensão ou variação que consiste em associar a newsletter diretamente ao e-mail marketing, como se as duas coisas fossem sinônimas, quando não são.

Por que e como utilizar o formato dos e-mails?

Feita essa ressalva, é preciso reconhecer que muitas vezes a solução digital será a única maneira de a empresa/marca que está começando no mercado iniciar sua primeira campanha de newsletters.

De fato, a assertividade de um e-mail é maior para quem está começando, do que um material impresso e despachado fisicamente. Aliás, essa é nossa primeira dica:

- Não adianta você escrever excelentes materiais se não souber distribuí-los. Hoje já existem softwares e aplicativos, alguns gratuitos até, que fazem a gestão das suas newsletters via e-mail.

Você consegue alimentar esses programas com sua base de leads e configurar em grupos e subgrupos de interesse.

Como escrever uma boa newsletter: campanha de e-mail marketing sendo divulgada.

Por exemplo, se você tem experiência como manobrista para eventos, abriu sua própria empresa, montou uma equipe de colaboradores e agora precisa mostrar ao mercado seu diferencial, esse formato é perfeito para você.

E o que é melhor: além de fortalecer a marca no médio/longo prazo, essa técnica também funciona no curto prazo, de modo que os resultados já começam a aparecer nos primeiros meses.

Aspectos técnicos: títulos, fontes, imagens, links...

Talvez, esta seja a maior razão para não nos esquecermos de que é importante criar um layout para a newsletter.

O primeiro cuidado aqui diz respeito à fonte do texto. Evite fontes muito diferentes, além de causar estranheza e desconforto na leitura, elas podem não existir no dispositivo do leitor e o e-mail ficará desconfigurado.

Prefira as mais comuns:

  • Times New Roman;
  • Georgia;
  • Tahoma;
  • Cambria;
  • Arial.

Outro cuidado são os links. Eles são permitidos e importantes (indica-se, inclusive, que constem em negrito), mas somente como texto corrido, pois os hiperlinks geralmente são bloqueados por alguns provedores.

As imagens em excesso também atrapalham. Tabelas, cabeçalhos e rodapés com design diferenciado são bons, mas se passarem de cerca de 10 imagens, novamente a mensagem pode cair no spam.

Obviamente, tudo começa no título. Ele precisa ser interessante e atraente para o seu público. Se você trabalha com instalação de placa solar, provavelmente, falar de tecnologia fotovoltaica logo no título não será tão atrativo quanto falar sobre economia na conta de luz, concorda?

Aqui é preciso ter uma estratégia criativa, pois o que vale é a criatividade. Palavras como oferta ou preço, desconto ou promoção, também costumam cair no spam.

Além do exemplo da economia de energia, é possível abordar um assunto como locação de gerador de energia por meio das vantagens mais dramáticas do produto, como “Não fique sem luz em dias de apagão!”.

A importância da identidade e da linha editorial

O incrível das newsletters é que elas podem oscilar entre as etapas do funil de vendas do seu banco de leads. Se repararmos bem, a captação, a retenção e a recuperação de clientes quase se confundem.

Ou seja, um lead que ainda não comprou com você, que está no meio do funil, pode ver tanto sentido em um boletim quanto seu cliente, ou quanto aquele lead que acabou de chegar ao topo do funil.

Isso requer alguns cuidados, então, utilize os programas que mencionamos acima para organizar os leitores em grupos, pois há muito material que pode ir para vários leads.

Portanto, outra dica de como escrever uma excelente newsletter é ter em mente: para quem eu estou escrevendo?

É preciso que haja uma linha editorial, uma identidade visual e uma linguagem contínua. A seguir descubra o que não pode faltar em sua newsletter.

O que não pode faltar em nenhum boletim?

Cada linha editorial será desenvolvida em conformidade com as etapas do funil que você estiver trabalhando naquele conteúdo/grupo.

No entanto, é preciso notar que existem alguns pontos essenciais que não poderão faltar em nenhuma delas, pois eles fazem sentido e são necessários para qualquer etapa da jornada de compra.

Esses pontos são os seguintes:

  • Tabelas que facilitem a assimilação;
  • Tópicos que facilitem a assimilação;
  • Não mais do que três conteúdos diferentes;
  • Links orgânicos/discretos para seu site;
  • Comunicação natural com suas redes sociais;
  • Comunicação natural com seu blog, etc.

As tabelas e tópicos tornam o layout mais interessante, melhor distribuído e fazem o leitor visualizar as páginas inteiras de um modo mais agradável, sem medo de que esteja diante de um texto confuso.

Isso é importante em qualquer área, não apenas entre leitores habituados à rotina dos escritórios. Certamente, uma newsletter sobre a importância da coleta seletiva na construção civil também merece esse tipo de layout e apresentação, tal como as indústrias pesadas.

Mas isso não adiantaria nada se você decidisse escrever sobre quatro, cinco, seis temas diferentes. Além da falta de clareza, isso seria uma estratégia ruim.

Ademais, o modo de engajar o leitor, comercialmente falando, deve ser “orgânico”. Ou seja, deve ser espontâneo, natural, e não apressado ou mercadológico demais.

Imagine que na área da construção civil, o carro-chefe da empresa está na parte de locação de caminhão basculante toco, sem dúvidas será possível dizer que a página de especificação técnica de um determinado caminhão traz mais informações, e levar o cliente até ela.

Portanto, o link para seu site institucional, ou mesmo para seus conteúdos mais despretensiosos (blogs e afins) precisa aparecer de modo coerente, como um suporte ou subsídio à leitura ali oferecida.

Periodicidade e imaginação: duas grandes aliadas

Ao colocar a mão na massa e decidir fazer as newsletters de sua empresa, provavelmente você já teve alguma experiência na área. Ou certamente já recebeu muitas newsletters, digitais ou físicas.

Como é sabido, o importante desses boletins informativos é que eles não vendem nada explicitamente. Não são um modo de fazer prospecção ativa de clientes, mas de informar seu público fiel.

Porém, nem por isso o compromisso com eles é menor.

Se sua empresa trabalha com projeto de combate a incêndio e seu público-alvo são os escritórios que prestam consultoria nessa área, pode ter certeza que eles se acostumaram a ler seu conteúdo em determinados dias da semana, e passaram a contar com ele.

Portanto, é importante que você crie uma periodicidade, a fim de ter um relacionamento com o seu público.

Um modo de reforçar isso é coletar as informações importantes e de qualidade sobre o que seu público gosta de ler.

No mesmo exemplo do setor de combate a incêndio, uma experiência positiva ou negativa que um cliente teve com uma placa de sinalização de emergência, pode muito bem ser o assunto da sua próxima newsletter.

É uma boa maneira de ter a certeza de que você sempre estará produzindo conteúdos para as suas newsletters, e de que nunca largará suas campanhas pela metade.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.




Whatsapp da Linking Sites
Converse agora com a Linking