HOME
EMPRESA
SERVICOS
CLIENTES
PLANOS
BLOG
CONTATO

Como trabalhar com gatilhos mentais em copywriting

Home  >   Blog  >   Como trabalhar com gatilhos mentais em copywriting
Publicado em 31/08/2020

As palavras têm poder. Não é à toa que as principais estratégias de marketing da atualidade utilizam a produção de conteúdo textual como uma das principais ferramentas de divulgação, pois além de atrair o público, é possível convencê-lo com gatilhos mentais extremamente persuasivos.

Por exemplo, se pensarmos em uma marca famosa, é comum que o nosso imaginário já lembre de um slogan, ou uma frase que apareceu em uma determinada propaganda e acabou nos marcando para sempre. E esse é só um exemplo do poder das palavras.

Através da estratégia certa, os verbos, substantivos, adjetivos e pronomes são capaz de nos conquistar, aumentar o reconhecimento de uma empresa e nos convencer a comprar.

No artigo de hoje, saiba como trabalhar com gatilhos mentais em copywriting e, desse modo, aproveitar ao máximo do poder das palavras. Acompanhe a leitura!

O que é copywriting?

O copywriting é uma estratégia de produção de conteúdo com foco na persuasão. Ou seja, é um texto com objetivo de convencer o leitor a realizar uma ação específica, com o objetivo de gerar conversões e vendas.

Como trabalhar com gatilhos mentais em copywriting: analista tendo uma grande ideia.

Para isso, o copywriting utiliza uma série de gatilhos mentais que despertam o interesse no público e, assim, geram o resultado esperado.

Diante do poder dessa técnica, muitos empreendimentos passaram a incluir esse tipo de texto em suas estratégias de Inbound Marketing. Por isso, a produção de conteúdo é hoje um dos carros-chefe das campanhas digitais.

Diferentemente da redação publicitária, o copywriting não está voltado em vendas direta. Ao contrário, ele é destinado à conquista do cliente por meio da oferta de conteúdo relevante.

Nesse sentido, uma empresa de instalação de ar condicionado, por exemplo, pode usar o copy para produção de um blog post com dicas de manutenção do equipamento, ao invés de um anúncio sensacionalista e invasivo sobre o serviço.

Mas isso não significa que a redação publicitária e o copywriting sejam campos distintos. Muitas ferramentas da publicidade foram incorporadas à produção textual e, portanto, os dois tipos de escrita são complementares.

Contudo, é necessário focar na oferta de conteúdo atrativo e valioso ao público-alvo. Algumas dicas para a produção de um copywriting de sucesso são:

  • Usar informações confiáveis e relevantes;
  • Ter uma boa gramática e escrita;
  • Transmitir credibilidade aos leitores;
  • Usar das técnicas de otimização (SEO).

Além do mais, o CTA (Call to Action, ou chamada para ação) é um dos principais elementos de um copy. Ou seja, ao longo de toda a jornada do cliente, é preciso que o leitor tome alguma atitude, como assinar uma newsletter, fazer o download de um e-book, ser redirecionado a uma página de compra, etc.

Por exemplo, uma empresa que faça restauração de tacos pode colocar um CTA convidando os leitores para um tour virtual com fotos do último serviço prestado.

É a partir do CTA que o texto pode convencer e cativar os visitantes e, assim, convertê-los em leads (potenciais clientes), aproximando-os do seu negócio e aumentando as chances de vendas da empresa.

Gatilhos mentais: a resposta para um copywriting de sucesso

O copywriting é uma escrita persuasiva, por isso, nada melhor do que usar ferramentas próprias para convencer os leitores: os gatilhos mentais.

De maneira geral, os gatilhos mentais consistem em estímulos recebidos pelo nosso cérebro que influenciam diretamente na tomada de decisão.

Como trabalhar com gatilhos mentais em copywriting: cliente olhando prateleira de bolsas e pensando qual comprar.

Ou seja, são as escolhas que fazemos no “piloto automático”, para evitar que esgotemos a mente diante de tantas opções. Assim, o cérebro filtra quais decisões são importantes e, nos demais casos, ele simplesmente realiza aquilo que foi “educado” a fazer.

Dessa forma, os gatilhos facilitam o nosso processo de decisão. Por isso, eles são fundamentais para as estratégias de marketing, pois uma empresa de móveis planejados, por exemplo, pode convencer um usuário a fechar negócio mais facilmente, quando aplica algum gatilho mental em seu conteúdo.

Quer dizer que, por meio do comportamento ativado pelos gatilhos mentais, muitas marcas elaboram campanhas, promoções e estratégias capazes de incentivar o público a realizar uma compra.

Com a ajuda do copywriting, negócios de qualquer segmento podem usar os gatilhos, desde uma loja de roupas, até empresas de consultoria ambiental.

No entanto, é necessário aplicá-los de modo estratégico, para alcançar os resultados esperados com a produção de conteúdo.

5 gatilhos mentais mais usados em copywriting

Robert Cialdini, em seu livro “Armas da Persuasão”, ressalta que o comportamento humano é governado por princípios psicológicos fundamentais, que levam a determinadas ações automáticas. Eles são os gatilhos mentais.

Mas como usá-los dentro de um copywriting? A verdade é que tudo depende dos objetivos do seu conteúdo e as especificações do público-alvo.

No entanto, existem alguns gatilhos muito usados em copy, com grande capacidade de estimular o sentido das pessoas. São eles:

1 - Escassez

O nosso inconsciente tende a associar algo escasso com um alto valor. Quer dizer que, quanto mais raro é algo, mais valor e melhor ele é.

Por exemplo, uma promoção limitada de um curso técnico em eletrotécnica pode ativar o gatilho mental da escassez, pois os clientes são levados a crer que, se não fecharem negócio, vão perder uma ótima oportunidade.

Veja um exemplo da escassez aplicada a um trecho de copywriting:


“A promoção do curso vai até esta sexta-feira. Então, que tal aproveitar a oportunidade para garantir o melhor preço e um aperfeiçoamento profissional de qualidade?”

Como o ser humano não gosta de perder, a escassez pode aumentar as conversões, reagindo de forma emocional com o nosso inconsciente.

2 - Segurança

A segurança é responsável por transmitir a confiança e a credibilidade de um negócio. Esse é um gatilho muito usado com clientes mais velhos e receosos, ainda mais se o produto ou serviço for novo no mercado.

Imagine, por exemplo, que uma filial de fabricantes de fios e cabos elétricos foi inaugurada na cidade. Ela pode usar o gatilho da segurança para o seguinte conteúdo:


“Com mais de 35 anos no mercado, a fábrica X já atendeu 1 milhão de clientes em todo o Brasil, sendo uma das mais bem conceituadas indústrias do país”.


3 - Prova social

A prova social é uma forma de comprovar a eficácia de um produto ou serviço, com base em experiências de outros clientes. O gatilho mental associa o sucesso do negócio com base no depoimento de outras pessoas.

Por exemplo, uma empresa de terceirização de serviços pode usar a prova social no seguinte contexto: “Veja quantas pessoas estão satisfeitas com o nosso trabalho! (link para o vídeo de depoimentos)”.

Dessa maneira, o público sente mais confiança em fechar negócio, pois outros clientes já aprovaram e atestaram os benefícios.

4 - Reciprocidade

O princípio da reciprocidade leva em consideração que o ser humano tem uma tendência natural de responder a uma ação positiva com outra também positiva.

Ou seja, quando empresas de tradução disponibilizam um e-book com dicas de revisão de texto, totalmente gratuito para o público, as pessoas tendem a considerar essa atitude como algo louvável e, como consequência, as chances de fechar negócio são maiores.

Por conta disso, o gatilho mental da reciprocidade está diretamente relacionado com o marketing de conteúdo, já que na internet, uma das melhores formas de conquistar a audiência é por meio de infoprodutos.

5 - Autoridade

A autoridade se refere a como uma determinada empresa se porta no mercado. Esse gatilho é bem semelhante com a segurança, mas a intenção é mostrar superioridade ao público.

Por exemplo, imagine um software com certificação da Microsoft. É bem provável que as pessoas prefiram adquirir esse programa, do que outra ferramenta sem teste e certificado.

No copywriting, essa informação pode ser apresentada da seguinte maneira: “Software aprovado e certificado pela Microsoft garante proteção do seu computador contra vírus”.

Como produzir um bom copywriting com gatilhos mentais?

Depois de conhecer todos os principais gatilhos usados na produção textual, está na hora de “botar a mão na massa” e começar a elaborar o conteúdo.

Como trabalhar com gatilhos mentais em copywriting: jornalista escrevendo um artigo para o blog.

Além da inserção correta dos estímulos psicológicos no texto, o copywriter precisa ter em mente que o material deve ser acessível ao seu público-alvo.

Por conta disso, um texto de sucesso envolve o conhecimento acerca do cliente, o estabelecimento de uma linguagem adequada e, é claro, criatividade.

É importante não esquecer da construção de um bom CTA, pois é através dessa chamada, em conjunto com os gatilhos, que é possível converter e encantar os leitores.

Conclusão

O copywriting se tornou indispensável em grande parte dos planejamentos de Inbound Marketing. Fruto da redação publicitária, a estratégia envolve a produção de conteúdo relevante, com o uso de gatilhos mentais, para persuadir e convencer o público.

Apesar de não ser restrito à internet, o copywriting se expandiu nos ambientes virtuais, sendo impulsionado pela produção de blog posts, e-books e outros materiais ricos.

O artigo de hoje buscou ajudar na construção de um bom copy, no entanto, vale dizer que a criatividade é indispensável para o sucesso do conteúdo.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.